Bem Vindos


Caro leitor, bem vindo ao blog da Usimak

Este espaço serve sobre tudo para divulgar notícias, produtos, ideias e para estimular a discussão.
Esclarecer dúvidas e sugestões em relação a nossos produtos atuais e também sobre novos produtos em desenvolvimento.
Espero que este espaço seja útil para todos. Todas as sugestões são bem vindas.

Pesquisar este blog

anúncios

16 de mai de 2012

Novas tecnologias da construção civil são apresentadas em Manaus


Técnicas utilizadas no Conjunto Meu Orgulho reduz tempo de execução das obras
Técnicas utilizadas no Conjunto Meu Orgulho reduz tempo de execução das obras(Divulgação)

Manaus sediou nesta segunda-feira (14) um Road Show com empresas nacionais do setor da construção civil que apresentaram tecnologias inovadores. Entre as novidades estão: coberturas térmicas, sistema de impermeabilização e construção de casas e edifícios utilizando fôrmas de aço.

Durante o encontro empresas como a Sika e Isoeste trouxeram novidades quanto a impermeabilização e como barrar a transmissão do calor e possíveis goteiras em telhado. A última técnica, segundo o diretor do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon), Newton Veras, é mais utilizada na construção de residências. “Na construção de prédios, utilizamos manta antitérmica e impermeável que proporcional o mesmo resultado”.

Outra novidade são as paredes de concreto. A empresa SH - Fôrma, Andaimes e Escoramentos, apresentaram experiências de sucesso baseadas em técnicas norte-americanas.

Eles utilizam fôrmas de alumínio e de aço para “montar” apartamento ou casa e, após a montagem, se faz a concretagem. “Com este método, as formas são montadas - dependendo do tamanho do imóvel - em horas e a concretagem é feita no mesmo dia. Depois de 72 horas se tira a forma e o imóvel está pronto”, explicou a gerente de marketing da empresa, Samanta Costelha. Segundo ela, a concretagem só é feita depois da instalação de toda fiação e sistema hidráulico, o que antecipa ainda mais o trabalho.

Hoje, o método é utilizado no Brasil, em cidades como Manaus, Rio de Janeiro e Recife, na construção de casas populares do programa federal “Minha Casa, Minha vida”.

Segundo Samanta é possível reduzir em até 80% o número de trabalhadores em canteiros de obras que utilizam este método. Outra vantagem é quanto ao tempo gasto para se construir. O objetivo da empresa é montar um depósito na Região Norte, e até o final do ano decidem se será em Manaus.

Dificuldade

Na avaliação do diretor do Sinduscon, Newton Veras, atualmente, as construtoras em Manaus têm utilizado novas tecnologias no setor da construção civil, porém, nem todas as novidades são bem aceita junto aos agentes financeiros. “Na hora de financiar os projetos, o banco precisa analisar as tecnologias a serem utilizadas e algumas não são reconhecidas ainda em Manaus”.

Newton exemplificou que há dois a construtora Colméia tenta financiamento na Caixa Econômica para um empreendimento feito com tijolos de gesso, método comum em outras capitais, mas não conseguiu. “A opção foi contatar o Bradesco. Soube que a Capital Rossi passa por um problema similar quanto a obras de alvenaria de vedação”.

O Road Show aconteceu no Hotel Tropical e contou com representantes da editora Pini. O evento parte para Belém e São Luís.

FLORESTA ABRAÇA CASA FEITA DE CONCRETO


O endereço de uma família na Argentina fica escondido pelo morro e afastado do calor. Mesmo localizada no sugestivo balneário de Mar Azul, a 400 km de Buenos Aires, a casa fica enterrada na floresta.
Para deixar o clima ainda mais ameno, o escritório BAK Arquitectos construiu o lar como um grande bloco de concreto, criando uma presença forte e, ao mesmo tempo, discreta. O design simples permite que o material bruto cause pouco impacto sobre a paisagem, em harmonia com a natureza.
Definida pelo terreno acidentado, a Casa Hormigon (casa de concreto, em português) tem duas fachadas distintas, já que o vidro reveste metade da casa. Além de trazer iluminação, reforçada pelos spots bem próximos às janelas, as divisórias modulares fazem uma suave transição entre o interno e o externo.
O interior privilegia o projeto brutalista e deixa a estrutura aparente nas paredes, no piso e nos móveis. A mobília, aliás, aparece apenas para descrever a funcionalidade do espaço, seja com a mesa de concreto, a poltrona de couro, ou com o sofá e a cama de madeira de pinheiro reaproveitada. Os arquitetos colocaram poucos elementos em cada cômodo para que a casa fosse ajustada apenas em função do entorno. Ou seja, a entrada, hoje feita pelo deque, pode ser revertida para a parte traseira – basta retirar o gradil das portas que funcionam como janela nos quartos.

Alvenaria estrutural com blocos de concreto: melhor solução técnico-econômica



O Brasil vive, desde 2004, quando foi aprovado o novo marco regulatório para a indústria da construção, um boom de crescimento no mercado imobiliário e programas habitacionais, com o lançamento do Programa Minha Casa, Minha Vida, em 2009. De lá para cá, o número de unidades financiadas e a expansão do crédito para a casa própria não deixou de crescer: dos cerca de R$ 3 bilhões de crédito para o setor, em 2004, passou-se a R$ 205,8 bilhões, em janeiro de 2012, de acordo com o Banco Central.

Esse aumento do crédito, amparado em maior segurança para construtoras e incorporadoras e compradores de imóveis, também repercutiu no Distrito Federal e na Região Centro-oeste do país. Fatores como o crescimento da economia, mercado interno aquecido, aumento da renda familiar e a proximidade dos megaeventos esportivos mundiais devem garantir a manutenção desse aquecimento. O crescimento é reforçado por diferentes entidades internacionais. A Associação de Investidores Estrangeiros no Setor Imobiliário (Afire), por exemplo, estima que o Brasil será, em 2012, o segundo melhor mercado imobiliário do mundo na atração de investidores estrangeiros, superando até mesmo a China na lista de preferências. Especialistas avaliam que devido a Brasília ser uma cidade relativamente nova, com grandes possibilidades de crescimento, e as cidades do entorno, como Samambaia e Ceilândia, tende a dar continuidade a essa dinâmica. Segundo o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Distrito Federal (Sinduscon-DF), Julio Cesar Peres, a tendência é que o mercado alcance relativa estabilidade, mantendo crescimento de cerca de 12% ao ano.

Nessa conjuntura, porém, nem tudo são flores. Construtoras e incorporadoras precisam estar atentas aos custos dos empreendimentos, a fim de evitar problemas. Nesse sentido, um dos melhores sistemas construtivos disponíveis no país é a alvenaria estrutural com blocos de concreto. As maiores vantagens desse sistema é que ele oferece a possibilidade de erguer edifícios com até 30% de economia (em prédios de até cinco pavimentos), comparado aos sistemas convencionais de construção, de acordo com pesquisas desenvolvidas por pesquisadores de universidades renomadas, como a Poli-USP, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Universidade Federal de São Carlos-SP, entre outras.

A construção com blocos de concreto estruturais permite que, ao se erguer as paredes, a estrutura já está pronta, dispensando a execução de pilares e vigas e o uso de fôrmas para o concreto. Além disso, esse sistema estrutural conta com normas atualizadas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que abrangem desde a fabricação e ensaios dos blocos, projetos de arquitetura e engenharia e a construção. Todos esses fatores contribuem com o crescimento do uso dos blocos estruturais de concreto no Distrito Federal e no Centro-Oeste. "É visível o aumento do uso de blocos estruturais de concreto nos empreendimentos do DF, graças às vantagens técnico-econômicas que oferece", avalia o empresário Martim Francisco Marcondes, da indústria de bloc os Original, de Brasília, e diretor da Regional Centro-Oeste da BlocoBrasil-Associação Brasileira da Indústria de Blocos de Concreto. Essa opinião é compartilhada por Marley Antônio Rocha, proprietário da Goiarte, indústria de blocos de concreto localizada em Aparecida de Goiânia, a 25 km da capital goiana. "Tivemos um crescimento expressivo no uso dos blocos de concreto em nossa região, devido às suas evidentes vantagens em relação aos outros sistemas construtivos", avalia Rocha, integrante da BlocoBrasil. A Associação reúne os fabricantes de blocos que têm o Selo da Qualidade fornecido pela Associação Brasileira de Cimento Portland. O Selo de Qualidade é uma garantia aos compradores de que os blocos são fabricados de acordo com as normas da ABNT e, portanto, oferecem segurança aos compradores -construto ras e usuários finais.







Autor: Vinculado ao refrescante.empresas.negocios