Bem Vindos


Caro leitor, bem vindo ao blog da Usimak

Este espaço serve sobre tudo para divulgar notícias, produtos, ideias e para estimular a discussão.
Esclarecer dúvidas e sugestões em relação a nossos produtos atuais e também sobre novos produtos em desenvolvimento.
Espero que este espaço seja útil para todos. Todas as sugestões são bem vindas.

Pesquisar este blog

anúncios

30 de mai de 2012

Tramas e tecituras


Essa parede é a prova de que um material muito simples e tido para muitos como "pobre" consegue criar um efeito muito interessante através de sua repetição.



Neste caso, além da simples repetição, ele foi instalado em diferentes ângulos criando, além da textura, uma volumetria diferente, que fica ainda mais valorizada pelos efeitos de luz criados ao longo do dia.


Um outro projeto que explora essa idéia é a Casa Kimball, projetada pelo escritório Rangr Studio. Placas retangulares dispostas umas sobre as outras na diagonal criam uma trama leve que protege da incidência do sol e possibilita a ventilação.




Como no outro projeto, vistas de perto, as paredes são mais "brutalistas", mas de longe criam texturas leves que enriquecem as fachadas.

Construtora desenvolve cinto de segurança fixado à estrutura do edifício


A construtora Alavanca desenvolveu um suporte para os ganchos do cinto do trabalhador se fixarem à estrutura do edifício. O equipamento está sendo utilizado por trabalhadores de uma obra em Sorocaba, no interior de São Paulo.
Divulgação: Construtora Alavanca
Suporte é preso diretamente no bloco de concreto, impedindo deslocamentos bruscos
O suporte metálico é encaixado no vão de dois blocos de concreto grauteados, onde a argamassa ainda não foi aplicada, deixando um espaço livre para a fixação do suporte. "Desse modo, não há necessidade de ficar quebrando blocos para a colocação do suporte. A estrutura metálica tem o exato tamanho de um bloco", explica Alisson Gouveia, engenheiro responsável pela obra.
O suporte é travado por meio de um pino de fixação, que impede o deslocamento vertical do trabalhador. Os ganchos do cinto do profissional são presos então a uma fivela na extremidade do suporte. Segundo Alisson, todo o desenvolvimento do equipamento, que durou cerca de dois meses, foi realizado com base na NR-18. "Realizamos uma série de testes com o equipamento, como de tensão, carga e fixação, para garantir a segurança do profissional", disse Alisson.
Divulgação: Construtora Alavanca
Pernas mecânicas são acopladas diretamente às pernas do profissional
A construtora também está utilizando pernas mecânicas, acopladas às pernas do trabalhador, para que os profissionais possam alcançar alturas maiores sem a necessidade de um andaime nos serviços internos. As pernas têm alturas ajustáveis e contam com um sistema de amortecimento. O equipamento é importado e custa, em média, R$ 1.200 o par. Segundo Alisson, antes do uso, todos os profissionais passaram por treinamento prévio. 

De acordo com Haruo Ishikawa, coordenador do Comitê Permanente Nacional da Norma Regulamentadora (NR-18) e vice-presidente de Relação Capital-Trabalho do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (SindusCon-SP), nem sempre as inovações que aparecem no mercado estão regulamentadas pela norma de segurança NR-18, seja porque são importadas ou porque foram criadas pelas próprias construtoras. Mas, segundo ele, esse fator não impede o uso dos equipamentos. Ishikawa comenta que o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) tem liberado a utilização quando um engenheiro de segurança atesta que o equipamento pode ser usado sem perigo.
Inicialmente, o engenheiro afirma que é necessário verificar se o equipamento se adequa a uma norma internacional. Se não, além do atestado emitido por um engenheiro, o MTE pede também que o manual e eventuais sinalizações no equipamento sejam traduzidos para a língua portuguesa.
Tolentino Soares de Souza, instrutor do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), ainda alerta que, para todos os novos equipamentos, é necessário o treinamento prévio do profissional para evitar acidentes durante a execução da obra.

28 de mai de 2012

Arquitetura de Casa de Blocos de Concreto em Forma de Caixa

A arquitetura desta casa de blocos de concreto, madeira e pedras envelhecidas apresenta um desenho muito simples em forma de caixa com vãos para as portas e janelas num estilocontemporâneo isolada em uma montanha rodeada de verde gerando uma paisagem surpreendente. Embora a forma arquitetônica seja muito simples em sua parte externa, a decoração interna se mostra moderna muito bem dosada de elementos de design coloridos na Sala de estar,Sala de Jantar e na Biblioteca que acompanha a parte superior das paredes. O vermelho é a cor de destaque no sofá com dominância de linhas retas e as curvas fazem uma presença sutil nos pendentes, luminária e centro de mesa. Toda esta edificação cuja arquitetura surpreende pela forma geométrica muito simples pode ser vista em mais detalhes acessando fonte.
  
Arquitetura de Casa de Blocos de Concreto em Forma de CaixaArquitetura de Casa de Blocos de Concreto em Forma de CaixaArquitetura de Casa de Blocos de Concreto em Forma de CaixaArquitetura de Casa de Blocos de Concreto em Forma de CaixaArquitetura de Casa de Blocos de Concreto em Forma de CaixaArquitetura de Casa de Blocos de Concreto em Forma de CaixaArquitetura de Casa de Blocos de Concreto em Forma de CaixaArquitetura de Casa de Blocos de Concreto em Forma de Caixa

18 de mai de 2012

MASSA REDUZ CUSTO E DESPERDÍCIO


O setor da construção civil não para de crescer no País, assim como o lançamento de novos materiais que visam, só para começar, a redução de gastos e tempo de execução. A massa Verbamfix para o assentamento de tijolos e blocos é uma das soluções construtivas. Pronta para o uso, o produto, que é ecologicamente correto, foi criado a partir da mistura de aditivos especiais que garantem excelente flexibilidade, aderência e resistência em ambientes internos e externos.
Há mais de seis anos no mercado e, recentemente lançado em Maringá, duas grandes construtoras já estão utilizando a massa que dispensa a adição de água, areia, cal, cimento ou qualquer outro material utilizado na argamassa convencional.

O custo do metro quadrado da argamassa comum gira em torno de R$ 3,22 e da massa de assentamento, R$ 2,95
"Além de uma obra mais limpa e leve, a Verbamfix, como chamamos o produto, proporciona rapidez, praticidade, qualidade e economia", garante o representante e distribuidor do produto Victor Fagundes Schiavon.

Com a utilização da massa de assentamento, o dono da obra obtém um ganho de produtividade na mão de obra de aproximadamente 60%, devido à sua facilidade de manuseio.

"Só para se ter uma ideia, com relação a valores, o custo do metro quadrado da argamassa comum gira em torno de R$ 3,22 e da massa de assentamento é de R$ 2,95. 

Outras vantagens, segundo Schiavon, é que a solução construtiva evita o desperdício, não há sujeira na aplicação do produto, não é preciso alugar equipamentos, como betoneira, e, consequentemente, não há gasto com energia elétrica. E outro ponto muito importante é a rapidez no assentamento, que contribui para reduzir o gasto com mão de obra, que é muito caro em nossa região".

Para o engenheiro civil Eduardo Khun tudo que é novo é mais difícil de entrar mercado, mas esse lançamento tem tudo para agradar os profissionais do seto. "A massa de assentamento é algo muito bom para os construtores, que no final da obra percebem uma redução dos custos bem significativa".

O construtor Claudemir Saraiva, que há 15 anos presta serviços nesta área, testou e aprovou a massa de assentamento. "O produto é muito bom. Os tijolos assentados com essa massa ficam bem firmes depois que secam, o que falta ainda é um pouco de habilidade na aplicação, mas que se revolve com a prática".

A Verbamfix pode ser usada das seguintes formas: com uma bisnaga de confeiteiro, pistola ou na própria embalagem, basta apenas fazer um furo em uma das extremidades.

"Aqui na obra estamos usando a bisnaga e não tem segredo nenhum. Depois de encher a bisnaga com a massa é só passar, fazendo duas linhas, na parte superior da lajota, e ir assentando as outras por cima e está pronto. Não tem sujeira e nem desperdício", comenta satisfeito o pedreiro Rogério Lima Rodrigues.

Estudo comparativo entre o sistema construtivo em alvenaria estrutural e alvenaria convencional com blocos em habitações populares


O artigo abaixo foi desenvolvido à partir do trabalho de conclusão de curso de Engenharia Civil Romário Ferreira Martins, autor do Blog Universo Engenharia.
Lembrando que este é somente uma pequena partícula do trabalho, visando apresentar tão somente o “porquê” o “como” e os resultados obtidos no estudo.
RESUMO
Os altos investimentos em habitações populares, e o modelo de negócios consolidado na construção civil brasileira que baseia-se num mercado competitivo e tecnológico, tem fomentado a busca e o desenvolvimento de sistemas construtivos que alie redução no prazo de execução, custo final reduzido e qualidade do produto final.
Dentro desse contexto encontra-se a alvenaria estrutural, que através de estudos tem se colocado em lugar de destaque, em relação à outros sistemas, por possuir diferenciais como: modulação de projetos e redução no prazo de execução.
A análise de custos tem sido muito comentada atualmente no cenário nacional, onde vários autores declaram que a alvenaria estrutural é mais viável financeiramente principalmente quando comparado com o sistema construtivo convencional em concreto armado, não obstante disso o fator preponderante quando analisado qualquer tipo de empreendimento é a conhecida “viabilidade técnica-financeira”, essa via de duas mãos aliada com outros aspectos é quem dita a escolha do sistema construtivo a ser empregado na construção de qualquer
empreendimento. Partindo desse pressuposto, surgiu o interesse em desenvolver um estudo comparativo entre o sistema construtivo em alvenaria estrutural e o sistema construtivo convencional (concreto armado), e para tal, foi desenvolvido um estudo de caso à partir do projeto da construção em série de sobrados geminados,
onde é feito a comparação de custos entre os dois sistemas construtivos.


 INTRODUÇÃO
 
1.  JUSTIFICATIVA

         Segundo Medeiros  (2007),  a  questão habitacional é de extrema importância social e política na maioria das sociedades; ela se apresenta como um dos fatores mais importantes na criação de justiça social, saúde pública e estímulo ao crescimento econômico entre outros.                                                          

O mercado habitacional constantemente sofre intervenção direta do Estado através de políticas e subsídios, como é o caso do Brasil. 
O Brasil apresenta um enorme déficit habitacional, e isto tem feito com que o governo federal ofereça subsídios e programas habitacionais para a população de baixa renda, com a função de oferecer moradias a um “custo mais baixo” ou facilidade em financiamentos para a aquisição de moradias, exemplo disso é o programa “Minha casa minha vida” que teve início no segundo mandato do Presidente Luís Inácio Lula da Silva, ao qual inicialmente tinha o objetivo da construção de um milhão de residências.(MINISTÉRIO DA FAZENDA,2009)
Atualmente foi ampliado pela gestão da atual Presidenta Dilma Rousseff para dois milhões de residências até 2014.(PORTAL R7,2011)
Segundo o portal R7 de notícias, em 2011, a primeira etapa do programa teve 1.079.689 moradias contratadas, 8% a mais do que a meta do governo de 1 milhão de casas. (PORTAL R7,2011)
Segundo  o colunista da revista Veja Reinaldo Azevedo, “números consolidados do TCU indicam que foram efetivamente construídas 238.000 casas, ou seja, para completar o primeiro milhão  faltam 762.000 casas.(Veja,2011)
Do montante total contratado, cerca de 25% somente foi construído até o momento  de  (12/2010), ou seja, do plano inicial falta construir 762.000 moradias e com o pacote atual que amplia em mais um milhão, aumenta o número de 1.762.000 casas, se utilizarmos o raciocínio lógico em uma simples regra de três, obtemos: 238.000 casas em 1 ano e nove meses (21 meses), 1.762.000,00 casas em 12,95 anos (155 meses), ou seja se seguirmos o ritmo atual de construção, a construção de 2.000.000 de casas só se dará em 2024, para manter o que foi prometido pela Presidenta Dilma Roussef, teríamos que aumentar em cerca de 3,24 vezes o ritmo atual, para que a meta possa contar com chance de ser alcançada.
Segundo a revista Exame  (2011), no Brasil “7,2 milhões, é o total do déficit habitacional hoje, somando as famílias que coabitam e as que vivem em residências precárias”. No Paraná, o déficit habitacional absoluto, segundo a Fundação João Pinheiro (MG), é de 260.648 domicílios (229.069 urbanos  - 31.579 rurais) e o déficit relativo do estado é de 9,8%. 
Medeiros  & Sabbatini (apud Araújo, 1995) afirmam que a principal vantagem da alvenaria estrutural é sua capacidade de racionalização em todas as etapas da construção,  utilizando-se para isso de recursos humanos e materiais.
Segundo  BRICKA (2011),  “Alvenaria estrutural é o sistema construtivo de menor custo do mercado brasileiro. Enxuga em até 30% o valor final de qualquer tipo de obra, com impacto ainda maior em construções verticalizadas”.
Segundo Ramalho & Corrêa  (2003), “nos casos usuais, o acréscimo de custo para a produção da alvenaria estrutural compensa com folga a economia que se obtém com a retirada dos pilares e vigas.” 
A estabilização da economia gera concorrência no mercado e o setor da construção absorve grande parte dessa movimentação financeira. A demanda no mercado da construção, além de acelerar a execução das obras, interfere
na produção como um conjunto, inclusive nos orçamentos que viabilizam a obra  financeiramente. Ou seja, a análise de custo é fator determinante para a execução das obras.
A mão de obra no Brasil encontra-se em escassez, estamos próximos da Copa do Mundo e das Olímpiadas, e serão muitas as obras de infraestrutura das cidades que sediarão os eventos; há as obras financiadas pelo PAC  II (Plano de aceleração do crescimento segunda etapa), entre muitas outras. O Brasil no momento pode-se dizer que é um grande “Canteiro de obras”, se fazendo da necessidade de todos os tipos de profissionais envolvidos direta ou indiretamente no ramo da construção.
Uma análise comparativa entre o Sistema construtivo em alvenaria estrutural e o de alvenaria de vedação em habitações populares se faz necessário para obtenção de dados que venham à nortear de maneira eficiente a utilização dos recursos, tanto material como humano.
2. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
2.1  Estudo de Caso

A obra do  estudo  de caso  é  um projeto padrão COHAB e  trata-se  de sobrados  geminados os quais possuem plantas idênticas,  o edifício de alvenaria estrutural tem o pavimento  térreo apoiado sobre radier, e o superior apoiado em laje de concreto armado, que por sua vez, se apoiam em paredes de alvenaria estrutural de blocos cerâmicos.  Já o de alvenaria convencional tem térreo apoiado sobre radier, e o superior  apoiado em laje de concreto armado, que por sua vez, é apoiado em vigas e pilares.

O projeto em alvenaria estrutural foi conseguido através de uma empresa de Construção, e o projeto em alvenaria convencional foi desenvolvido pelo aluno com o auxílio da orientadora do TCC.

O estudo de caso foi originado com a função de responder a seguinte questão: Comparando o sistema construtivo em alvenaria estrutural com blocos o em alvenaria de vedação de blocos cerâmicos, qual o mais viável financeiramente em habitações populares no estado do Paraná?
2.2  Metodologia

Seguem abaixo os procedimentos adotados para resolução da questão anterior: 

a)  Em primeiro lugar foi feito o levantamento quantitativo do projeto em alvenaria estrutural.  Para isso foi adotado o procedimento descrito na Figura 1, abaixo: 

FIGURA 1 – PROCEDIMENTO ADOTADO – ALVENARIA ESTRUTURAL
image
FONTE: MARTINS, 2011.
b)  Posteriormente foi  realizado o levantamento  quantitativo  do projeto em alvenaria convencional.  Para isso foi adotado o procedimento descrito na Figura 2, abaixo:
FIGURA 1 – PROCEDIMENTO ADOTADO – ALVENARIA ESTRUTURAL
image
FONTE: MARTINS, 2011.
c)  Para obtenção da composição de custos foram utilizados os preços que constam na tabela do Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil, (SINAPI – PR), de Julho de 2011. (SINAPI, 2011)
3. RESULTADOS E DISCUSSÃO 

De acordo com a metodologia  utilizada no estudo de caso, conseguiu-se angariar subsídios suficientes para tecer discussões e resultados de maneira coerente, segue abaixo os resultados obtidos:

a)  A  Tabela 1 abaixo,  representa  o total  do  levantamento quantitativo e financeiro da obra em alvenaria estrutural.
TABELA 1 – RESUMO – CUSTO TOTAL – ALVENARIA ESTRUTURAL
image
FONTE: MARTINS, 2011.

O Gráfico 1 abaixo,  representa os resultados descritos acima na Tabela 1. 
GRÁFICO 1 – PARCELAS CORRESPONDENTES AOS CUSTOS DOS BLOCOS, GRAUTE,
CONCRETO, AÇO E FORMAS EM ALVENARIA ESTRUTURAL NO ESTUDO DE CASO  –
2011. 
image
FONTE: MARTINS,2011.
Nota-se que o item que representa o maior custo do sistema construtivo em alvenaria estrutural no estudo de caso, em comparação aos demais analisados foi o bloco cerâmico estrutural respondendo por 34% do montante total, em segundo as formas com 23%, seguido pelo aço com 21% e o concreto com 19%. Observou-se que o ítem com menor participação foi o graute, isso é devido a utilização  da alvenaria estrutural  não armada, pois o mesmo foi colocado somente em zonas de tração como vergas e vigas de respaldo da laje e  cobertura, como a edificação possui pouca altura, as ações sofridas por
ações de vento, ou cargas excêntricas entre outras não são capazes de gerar esforços de tração que venham a ser maiores que os esforços resistivos do elemento parede da edificação, assim sendo, a alvenaria no estudo de caso é em essência não armada, a utilização do aço na alvenaria armada pode comprometer a viabilidade financeira do empreendimento, pois o aço muitas vezes inflam o   orçamento, além de trabalhar muito aquém de sua verdadeira capacidade.

No sistema construtivo em alvenaria convencional, também foi desenvolvida a mesma análise e foi gerada a Tabela 2, abaixo:
TABELA 2 – RESUMO - CUSTO TOTAL – ALVENARIA CONVENCIONAL
image
FONTE: MARTINS, 2011.
O Gráfico 2 abaixo, representa os resultados descritos acima na Tabela 2.
GRÁFICO 2  –  PARCELAS CORRESPONDENTES AOS CUSTOS DAS  FORMAS,
CONCRETO, AÇO E TIJOLOS EM ALVENARIA CONVENCIONAL NO ESTUDO DE CASO –
2011.
image
FONTE: MARTINS, 2011.
No sistema construtivo em alvenaria convencional, observamos que o item que representa o maior custo são  o das formas totalizando 34% do montante  seguido pelo concreto 23%, aço 22%, e os tijolos com 21%, entretanto, não foi observada a capacidade de reutilização das formas em demais habitações, pois varia de acordo com o tratamento tido na execução. 

O Gráfico 3, representa o clímax do estudo, nele está o comparativo de custos dos sistemas abordados, que serão utilizados como base da conclusão deste artgo. 

GRÁFICO 03 – COMPARATIVO DE CUSTOS ENTRE ALVENARIA ESTRUTURAL E
ALVENARIA CONVENCIONAL EM R$
image
FONTE: MARTINS, 2011.
O gráfico mostra que o valor das formas em  representa a mais que o dobro no sistema construtivo convencional (R$ 5691,81) em relação ao sistema construtivo em  alvenaria estrutural  (R$ 2600,51),  suponha  que  o reaproveitamento dessas formas equivalha  a duas vidas (seria utilizada em dois módulos) o custo das formas cairia pela metade (R$ 2845,90), ainda assim elas teriam um custo acima do que temos na alvenaria estrutural.
Na análise do custo com o  concreto na alvenaria convencional em relação ao conjunto (concreto+graute) utilizado na alvenaria estrutural, temos que na alvenaria estrutural temos um  custo de R$ 2.740,48  e na alvenaria convencional um custo de R$ 3740,74, novamente um custo menor da alvenaria estrutural; observa-se isso também no aço, com custo de R$ 3491,07 para a alvenaria convencional maior que R$ 2137,49 da alvenaria estrutural; tão somente os blocos apresentam uma reviravolta no quadro, mas ainda assim o valor é ínfimo quando comparado com as outras cotas de variação,sendo que representa a R$ 3644,33 para a alvenaria convencional, e 3942,88 para a alvenaria estrutural.
Com a utilização das Tabelas 1 e 2, foi gerado o Gráfico 4 abaixo,  dos custos totais do módulo de sobrados geminados do estudo de caso.
GRÁFICO 4 – COMPARAÇÃO DO CUSTO TOTAL – ALVENARIA CONVENCIONAL X
ALVENARIA ESTRUTURAL EM R$
image
FONTE: MARTINS, 2011.
Nessa  comparação observa-se que o custo do sistema construtivo convencional chega a 31 % a mais do que em relação ao de alvenaria estrutural, porém como ressaltado anteriormente a utilização das formas se dá em mais de uma vida, sendo assim supondo a utilização em duas vidas o custo das formas cairia pela metade e ficaria, conforme o Gráfico 6, abaixo:
GRÁFICO 5 – COMPARAÇÃO DO CUSTO TOTAL – ALVENARIA CONVENCIONAL X
ALVENARIA ESTRUTURAL – FORMAS C/ 2 VIDAS EM R$.
image
FONTE: MARTINS, 2011.
Com a reutilização das formas em duas vidas (2x),  obtém-se  uma diminuição no custo  da obra em alvenaria convencional de R$ 16567,95 para R$ 13721,30, e também uma diminuição de 31%  a mais que tinha antes em relação a alvenaria estrutural, para 16 %. Isso demonstra como é importante o processo de  reutilização das formas, mostrando-se de vital importância como demonstrado nesse estudo.
3. CONCLUSÃO 

O presente trabalho comprovou a redução de custos no emprego da alvenaria estrutural como sistema  construtivo em habitações populares com dois pavimentos, conforme demonstrado nos resultados e discussão. Essa redução chegou a 16% quando há o reaproveitamento das formas na obra de alvenaria convencional, e a 30% quando  isso  não  ocorre; conotando  a importância da reutilização das formas. Demonstra também  que a alvenaria estrutural  tem um potencial palpável quando comparada com a convencional, pois em todas as comparações com exceção a dos blocos apresentou um
custo menor.
Os resultados obtidos estão de acordo com outros estudos semelhantes desenvolvidos acerca do tema, como o da BRICKA (2011), que teve resultado de 30% e  o trabalho  OLIVEIRA (2009),  que  obteve o resultado de 20%, ressaltando também que esses resultados podem ser até mesmo maiores, devido ao  fato, de que não foram computados os desperdícios que são muito maiores nas obras em alvenaria convencional.
A utilização da alvenaria estrutural como sistema construtivo  diminui o desperdício de madeira,  reduzindo  o custo da obra  e reduzindo  o desmatamento.
Outro parâmetro importante é o de  rapidez na execução  do sistema em alvenaria estrutural, onde sua modulação facilita os trabalhos, por não precisar ser feitos “rasgos” nas paredes para o embutimento de tubulações elétricas e hidráulicas, assim como  os  revestimentos que podem ser feitos de maneira direta com gesso nas áreas internas.
Além da redução do custo total da obra, é importante destacar a redução da mão-de-obra, com a drástica redução das equipes de carpinteiros e armadores.
Por fim, a contribuição pretendida  supõe-se alcançada,  dentro da sistemática adotada e de acordo com o estudo de caso  realizado, pode-se concluir que é viável financeiramente a  utilização do sistema construtivo em alvenaria estrutural com blocos em habitações populares no estado do Paraná.

Pesquisadores criam máquina que faz tijolos a partir de lixo orgânico




No barracão improvisado nos fundos de uma empresa metalúrgica começa a transformação. O lixo orgânico entra pela máquina para se transformar em matéria-prima da construção civil. Cascas de laranja e restos de comida são triturados e seguem para o misturador. As bactérias são eliminadas por um processo químico e a massa de lixo é transformada em grãos. No forno com temperatura de 300ºC, o material perde a umidade e os grãos estão prontos para virarem pó. Só aí, então, a matéria-prima pode ir para a fábrica.Os equipamentos foram desenvolvidos pelo sociólogo José Antonio Masotti, que trabalhou como metalúrgico na juventude. Foram investidos R$ 100 mil no projeto. A fábrica de blocos aguarda ainda os primeiros testes de resistência e contaminação.“Tem de substituir areia e cimento na fabricação de artefatos de concreto”, diz o químico Marcelo Souza Santos .A cidade de Araraquara, com 208 mil habitantes, produz 160 toneladas de lixo orgânico por dia. Os pesquisadores acreditam que boa parte disso por se tornar artefatos de concreto.


No barracão improvisado nos fundos de uma empresa metalúrgica começa a transformação. O lixo orgânico entra pela máquina para se transformar em matéria-prima da construção civil. Cascas de laranja e restos de comida são triturados e seguem para o misturador. As bactérias são eliminadas por um processo químico e a massa de lixo é transformada em grãos. No forno com temperatura de 300ºC, o material perde a umidade e os grãos estão prontos para virarem pó. Só aí, então, a matéria-prima pode ir para a fábrica.Os equipamentos foram desenvolvidos pelo sociólogo José Antonio Masotti, que trabalhou como metalúrgico na juventude. Foram investidos R$ 100 mil no projeto. A fábrica de blocos aguarda ainda os primeiros testes de resistência e contaminação.“Tem de substituir areia e cimento na fabricação de artefatos de concreto”, diz o químico Marcelo Souza Santos .A cidade de Araraquara, com 208 mil habitantes, produz 160 toneladas de lixo orgânico por dia. Os pesquisadores acreditam que boa parte disso por se tornar artefatos de concreto.


No barracão improvisado nos fundos de uma empresa metalúrgica começa a transformação. O lixo orgânico entra pela máquina para se transformar em matéria-prima da construção civil. Cascas de laranja e restos de comida são triturados e seguem para o misturador. As bactérias são eliminadas por um processo químico e a massa de lixo é transformada em grãos. No forno com temperatura de 300ºC, o material perde a umidade e os grãos estão prontos para virarem pó. Só aí, então, a matéria-prima pode ir para a fábrica.Os equipamentos foram desenvolvidos pelo sociólogo José Antonio Masotti, que trabalhou como metalúrgico na juventude. Foram investidos R$ 100 mil no projeto. A fábrica de blocos aguarda ainda os primeiros testes de resistência e contaminação.

16 de mai de 2012

Novas tecnologias da construção civil são apresentadas em Manaus


Técnicas utilizadas no Conjunto Meu Orgulho reduz tempo de execução das obras
Técnicas utilizadas no Conjunto Meu Orgulho reduz tempo de execução das obras(Divulgação)

Manaus sediou nesta segunda-feira (14) um Road Show com empresas nacionais do setor da construção civil que apresentaram tecnologias inovadores. Entre as novidades estão: coberturas térmicas, sistema de impermeabilização e construção de casas e edifícios utilizando fôrmas de aço.

Durante o encontro empresas como a Sika e Isoeste trouxeram novidades quanto a impermeabilização e como barrar a transmissão do calor e possíveis goteiras em telhado. A última técnica, segundo o diretor do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon), Newton Veras, é mais utilizada na construção de residências. “Na construção de prédios, utilizamos manta antitérmica e impermeável que proporcional o mesmo resultado”.

Outra novidade são as paredes de concreto. A empresa SH - Fôrma, Andaimes e Escoramentos, apresentaram experiências de sucesso baseadas em técnicas norte-americanas.

Eles utilizam fôrmas de alumínio e de aço para “montar” apartamento ou casa e, após a montagem, se faz a concretagem. “Com este método, as formas são montadas - dependendo do tamanho do imóvel - em horas e a concretagem é feita no mesmo dia. Depois de 72 horas se tira a forma e o imóvel está pronto”, explicou a gerente de marketing da empresa, Samanta Costelha. Segundo ela, a concretagem só é feita depois da instalação de toda fiação e sistema hidráulico, o que antecipa ainda mais o trabalho.

Hoje, o método é utilizado no Brasil, em cidades como Manaus, Rio de Janeiro e Recife, na construção de casas populares do programa federal “Minha Casa, Minha vida”.

Segundo Samanta é possível reduzir em até 80% o número de trabalhadores em canteiros de obras que utilizam este método. Outra vantagem é quanto ao tempo gasto para se construir. O objetivo da empresa é montar um depósito na Região Norte, e até o final do ano decidem se será em Manaus.

Dificuldade

Na avaliação do diretor do Sinduscon, Newton Veras, atualmente, as construtoras em Manaus têm utilizado novas tecnologias no setor da construção civil, porém, nem todas as novidades são bem aceita junto aos agentes financeiros. “Na hora de financiar os projetos, o banco precisa analisar as tecnologias a serem utilizadas e algumas não são reconhecidas ainda em Manaus”.

Newton exemplificou que há dois a construtora Colméia tenta financiamento na Caixa Econômica para um empreendimento feito com tijolos de gesso, método comum em outras capitais, mas não conseguiu. “A opção foi contatar o Bradesco. Soube que a Capital Rossi passa por um problema similar quanto a obras de alvenaria de vedação”.

O Road Show aconteceu no Hotel Tropical e contou com representantes da editora Pini. O evento parte para Belém e São Luís.

FLORESTA ABRAÇA CASA FEITA DE CONCRETO


O endereço de uma família na Argentina fica escondido pelo morro e afastado do calor. Mesmo localizada no sugestivo balneário de Mar Azul, a 400 km de Buenos Aires, a casa fica enterrada na floresta.
Para deixar o clima ainda mais ameno, o escritório BAK Arquitectos construiu o lar como um grande bloco de concreto, criando uma presença forte e, ao mesmo tempo, discreta. O design simples permite que o material bruto cause pouco impacto sobre a paisagem, em harmonia com a natureza.
Definida pelo terreno acidentado, a Casa Hormigon (casa de concreto, em português) tem duas fachadas distintas, já que o vidro reveste metade da casa. Além de trazer iluminação, reforçada pelos spots bem próximos às janelas, as divisórias modulares fazem uma suave transição entre o interno e o externo.
O interior privilegia o projeto brutalista e deixa a estrutura aparente nas paredes, no piso e nos móveis. A mobília, aliás, aparece apenas para descrever a funcionalidade do espaço, seja com a mesa de concreto, a poltrona de couro, ou com o sofá e a cama de madeira de pinheiro reaproveitada. Os arquitetos colocaram poucos elementos em cada cômodo para que a casa fosse ajustada apenas em função do entorno. Ou seja, a entrada, hoje feita pelo deque, pode ser revertida para a parte traseira – basta retirar o gradil das portas que funcionam como janela nos quartos.

Alvenaria estrutural com blocos de concreto: melhor solução técnico-econômica



O Brasil vive, desde 2004, quando foi aprovado o novo marco regulatório para a indústria da construção, um boom de crescimento no mercado imobiliário e programas habitacionais, com o lançamento do Programa Minha Casa, Minha Vida, em 2009. De lá para cá, o número de unidades financiadas e a expansão do crédito para a casa própria não deixou de crescer: dos cerca de R$ 3 bilhões de crédito para o setor, em 2004, passou-se a R$ 205,8 bilhões, em janeiro de 2012, de acordo com o Banco Central.

Esse aumento do crédito, amparado em maior segurança para construtoras e incorporadoras e compradores de imóveis, também repercutiu no Distrito Federal e na Região Centro-oeste do país. Fatores como o crescimento da economia, mercado interno aquecido, aumento da renda familiar e a proximidade dos megaeventos esportivos mundiais devem garantir a manutenção desse aquecimento. O crescimento é reforçado por diferentes entidades internacionais. A Associação de Investidores Estrangeiros no Setor Imobiliário (Afire), por exemplo, estima que o Brasil será, em 2012, o segundo melhor mercado imobiliário do mundo na atração de investidores estrangeiros, superando até mesmo a China na lista de preferências. Especialistas avaliam que devido a Brasília ser uma cidade relativamente nova, com grandes possibilidades de crescimento, e as cidades do entorno, como Samambaia e Ceilândia, tende a dar continuidade a essa dinâmica. Segundo o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Distrito Federal (Sinduscon-DF), Julio Cesar Peres, a tendência é que o mercado alcance relativa estabilidade, mantendo crescimento de cerca de 12% ao ano.

Nessa conjuntura, porém, nem tudo são flores. Construtoras e incorporadoras precisam estar atentas aos custos dos empreendimentos, a fim de evitar problemas. Nesse sentido, um dos melhores sistemas construtivos disponíveis no país é a alvenaria estrutural com blocos de concreto. As maiores vantagens desse sistema é que ele oferece a possibilidade de erguer edifícios com até 30% de economia (em prédios de até cinco pavimentos), comparado aos sistemas convencionais de construção, de acordo com pesquisas desenvolvidas por pesquisadores de universidades renomadas, como a Poli-USP, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Universidade Federal de São Carlos-SP, entre outras.

A construção com blocos de concreto estruturais permite que, ao se erguer as paredes, a estrutura já está pronta, dispensando a execução de pilares e vigas e o uso de fôrmas para o concreto. Além disso, esse sistema estrutural conta com normas atualizadas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que abrangem desde a fabricação e ensaios dos blocos, projetos de arquitetura e engenharia e a construção. Todos esses fatores contribuem com o crescimento do uso dos blocos estruturais de concreto no Distrito Federal e no Centro-Oeste. "É visível o aumento do uso de blocos estruturais de concreto nos empreendimentos do DF, graças às vantagens técnico-econômicas que oferece", avalia o empresário Martim Francisco Marcondes, da indústria de bloc os Original, de Brasília, e diretor da Regional Centro-Oeste da BlocoBrasil-Associação Brasileira da Indústria de Blocos de Concreto. Essa opinião é compartilhada por Marley Antônio Rocha, proprietário da Goiarte, indústria de blocos de concreto localizada em Aparecida de Goiânia, a 25 km da capital goiana. "Tivemos um crescimento expressivo no uso dos blocos de concreto em nossa região, devido às suas evidentes vantagens em relação aos outros sistemas construtivos", avalia Rocha, integrante da BlocoBrasil. A Associação reúne os fabricantes de blocos que têm o Selo da Qualidade fornecido pela Associação Brasileira de Cimento Portland. O Selo de Qualidade é uma garantia aos compradores de que os blocos são fabricados de acordo com as normas da ABNT e, portanto, oferecem segurança aos compradores -construto ras e usuários finais.







Autor: Vinculado ao refrescante.empresas.negocios

5 de mai de 2012

Móveis de papelão e borracha de pneus de CartonLAB e Ecological Drive


De uma feliz parceria entre a CartonLAB (a marca de Moho Arquitetos em colaboração comAbility Graphic Design ) e a empresa Ecological Drive nasceu o mobiliário feito de pneus reciclados e papelão.



O resultado é a criatividade aplicada à sustentabilidade, com móveis de papelão, onde o conforto é reforçado pela flexibilidade e maciez da borracha dos pneus. Cada uma das imagens da galeria abaixo valem um minutinho de nosso precioso tempo, principalmente, para estimular outras ideias brilhantes como essa.