Bem Vindos


Caro leitor, bem vindo ao blog da Usimak

Este espaço serve sobre tudo para divulgar notícias, produtos, ideias e para estimular a discussão.
Esclarecer dúvidas e sugestões em relação a nossos produtos atuais e também sobre novos produtos em desenvolvimento.
Espero que este espaço seja útil para todos. Todas as sugestões são bem vindas.

Pesquisar este blog

anúncios

19 de out de 2011

Construção civil se anima com Copa



As empresas estão eufóricas com a Copa do Mundo no Brasil, daqui a três anos. Os impactos já são sentidos por 18% das empresas de construção civil, e a maioria já deve usufruir dos rendimentos do evento a partir do próximo ano; 85% das construtoras preveem que haverá benefícios para todo o setor. É o que afirma pesquisa da Confederação Nacional da Indústria, divulgada ontem.
Quarenta e sete por cento dos 411 empresários da construção civil ouvidos destacam que, até 2014, verãobenefícios nos seus negócios – como decorrência da Copa. Já a maioria (95%) espera mudanças positivas por conta da elevação do número de obras e serviços.
Porém, um dos obstáculos com possibilidade de amargar a prosperação do segmento até a vinda das delegações ao Brasil é a escassez da mão de obra qualificada e seu alto custo. Pelo menos na avaliação dos empresários consultados – 71% deles erguem esse ponto como o maior entrave, junto ao encarecimento da produção.
O gerente executivo de pesquisa da CNI, Renato da Fonseca, no entanto, destaca que não deve haver falta de investimentos nos próximos anos com o atual quadro de qualificação, embora o apagão da mão de obra deva gerar atrasos na entrega de empreendimentos de infraestrutura, como estádios, ruas e aeroportos. “Tem a alta dos custos, como salários, mas isso não impede a realização das obras.”
Diagnóstico que tende a mudar gradualmente nos próximos anos. Isso porque houve investimentos na qualificação desses profissionais, deflagrados desde 2004, quando a economia começou a crescer com mais intensidade, e a construção civil pegou carona, com mais crédito. Fonseca destaca iniciativas públicas e privadas no empenho em criar vagas, e cita o Senai como órgão que já qualifica mão de obra para acelerar o desenvolvimento.
A burocracia do processo licitatório – citada por 48% –, pouco prazo para conclusão das obras e serviços (45%) e elevada carga tributária (43%) seguem como problemas de investimento até o evento futebolístico.
Se haverá tempo para contornar a maioria dos problemas até a data, Fonseca admite que empresas podem se frustrar. Porém, não será invalidado efeito cascata sobre outros segmentos, que captarão parcerias, além da expansão de outras empresas – que estão fora das cidades-sedes – para aproveitarem as bonanças da Copa.
Setor moveleiro prepara terreno para o evento
Não é apenas a construção civil que irá colher louros da Copa, que tem Santo André e São Bernardo como candidatas a subsede. Analistas do escritório regional do Sebrae-SP frisam que empresas do Grande ABC também poderão aproveitar as oportunidades, que existem nos setores alimentício, de transportes, de brindes, de turismo, de tecnologia da informação e de moveleiros.
Os segmentos destacados têm fôlego na economia da região, segundo os especialistas, que citam a concentração do ramo moveleiro de São Bernardo e São Caetano, além do forte turístico de Ribeirão Pires.
A dica é se planejar para aproveitar a onda de investimentos. “Alguns se surpreendem com as oportunidades e pensam em se preparar para fazer algo relacionado à Copa”, conta a analista do Sebrae Joice Lopes Pisseli.
É o caso da Tirmis, que vende móveis. O diretor industrial da companhia, Henry Ishida, diz que a empresa tem delineado plano de expansão rumo à Copa. Vai aproveitar os bons resultados que teve com a quinta edição dos Jogos Mundiais Militares, realizada no Rio de Janeiro em julho, a quem a empresa são-bernardense vendeu 3.000 unidades de cadeiras e mesas dobráveis, e prevê crescimento para 2014. Hoje, sua capacidade é de produzir cerca de 5.000 unidades.
Ele conta que esse tipo de material tem boa demanda entre organizadores de eventos. “São cadeiras dobráveis, portáteis e que também são empilháveis. Estamos vendendo inclusive para hotéis, que já estão se preparando para o evento esportivo desde agora”, afirma. Ishida prevê, com base na elevação anual da demanda, que os negócios da empresa devem crescer entre 30% e 40% até a realização da Copa.
PESQUISA - Pesquisa do Sebrae mostra que o evento será próspero para as empresas com menor porte. Serão 14.162 firmas da região com previsão de expandir os ganhos com o megaevento esportivo, prevê o órgão. Número que representa 5% das 300 mil micro e pequenas que também sofrerão bons impactos do evento no Estado.
proximidade com Itaquera, onde está em construção o estádio do Corinthians elege Mauá como a mais beneficiada pela Copa. O Sebrae apontou 7.399 empresas com potencial de ganhos, a maior parte do comércio.
origem;

Nenhum comentário:

Postar um comentário