Bem Vindos


Caro leitor, bem vindo ao blog da Usimak

Este espaço serve sobre tudo para divulgar notícias, produtos, ideias e para estimular a discussão.
Esclarecer dúvidas e sugestões em relação a nossos produtos atuais e também sobre novos produtos em desenvolvimento.
Espero que este espaço seja útil para todos. Todas as sugestões são bem vindas.

Pesquisar este blog

anúncios

14 de fev de 2012

Preço de material de construção varia até 91%



Maior diferença está no bloco de concreto, que custa de R$ 1.450 a R$ 2.770 


Vale a pena andar um pouco mais para comprar material de construção em bairros distantes de Belo Horizonte. A economia pode ser de até 91% na compra de alguns produtos em depósitos que praticam preços mais baixos. Isso é o que mostra pesquisa feita pelo Procon Assembleia que comparou os valores cobrados entre diferentes estabelecimentos da capital e da Grande BH.

Segundo a pesquisa, a maior diferença encontrada foi para o bloco de concreto, que pode ser comprado com valores que vão de R$ 1.450 a R$ 2.770 – uma variação de 91%. O menor preço fica no depósito Baratão da Construção, em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana. Já o mais caro é encontrado no depósito Triângulo, que fica na Avenida Nossa Senhora do Carmo, região Centro-sul de BH.

O proprietário do depósito, João Cardoso, explica que um dos fatores que pesam sobre o preço dos produtos é o valor gasto com o imóvel, que está em um ponto considerado nobre na cidade. “A gente tem que levar em conta na hora de analisar os valores os custos com tributação, qualidade do produto vendido e a mão de obra”, afirma.

Outra diferença significativa apurada foi para a brita granito. O preço varia de R$ 63,90 a R$ 115, o equivalente a 79%. O mais barato é do depósito Almeidão Materiais de Construção que fica na regional Venda Nova. Já o preço mais salgado, neste caso, está no bairro Renascença, na região Noroeste da capital, a 4,8 quilômetros do Centro.

Já a brita calcária pode ser comprada com diferença de 77%, passando de R$ 63,90 para R$ 113,15. O maior preço do produto novamente foi encontrado no depósito Triângulo. E o mais barato também repete o depósito Almeidão.

Pesquisar antes de comprar torna-se mais importante quando se leva em conta que, em um mês, a média de aumento foi de 2,5% nos preços de materiais de construção. Entre dezembro de 2011 e janeiro deste ano, o que ficou mais caro foi a areia natural, que subiu 5%. Os valores passaram de R$ 74,15 para R$ 70,60. A brita calcária variou 4,9% no mesmo período, passando de R$ 80,88 para R$ 84,83.

Segundo o responsável pela pesquisa, Hugo Henrique Almeida da Silva, nos últimos meses foi observado um aumento mais expressivo no preço do material. Ele acredita que o motivo é a alta da demanda pelo serviço.

O aumento de custo tem penalizado as construtoras que buscam alternativas para não prejudicar a comercialização de unidades lançadas. O diretor da construtora Excelso, Caio Celso Cardoso, explica que não pretende repassar o aumento dos custos para o consumidor final. A estratégia será a redução da margem de lucros em aproximadamente 3,5%. Além disso, ele pretende negociar com os fornecedores um desconto nas compras. “Nós somos parceiros dos nossos fornecedores e, acima de tudo, consumidores, o que nos dá a chance de negociação”, diz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário